Palestra Desenvolvimento de Tecnologias 3D

Ainda me lembro o barulho daquelas impressoras matriciais como se fosse ontem, meados de 1997 eu cursando Processamento de dados imprimia minhas longas codificações nestes tipos de impressoras, já existia a impressora jato de tinta porém poucas pessoas tinham e também a reposição das tintas eram caras. A tecnologia evoluiu e temos uma variedade de equipamentos sem necessidade de conecta-los diretamente em nossos computadores até chegar a próxima revolução – a impressora 3d.

A prototipagem era algo distante e caro para quem queria produzir ou até mesmo ver suas peças criadas em 3d. Atualmente é possível comprar uma impressora com algo aproximado em R$ 5.000,00 ou até menos. Claro, temos diversas limitações como cores, velocidade que difere diretamente no preço do equipamento. Para imprimir uma peça basta conhecer softwares 3d, como por exemplo: Autodesk Autocad, 3ds Max, Maya, entre outros. Hoje é possível exportar objetos de aplicativos de celulares e tablets que podem utilizar a câmera do seu celular para scannear o objeto ou ambiente.

Hoje o mercado de trabalho está muito aquecido para diversos segmentos, por exemplo na medicina com a impressão de ossos, na odontologia, na moda e até mesmo na gastronomia.

Novamente a tecnologia atualizará nossos lares ao ponto de criar novos costumes, que tal imprimir um docinho?

Um grande abraço,
Hugo.

Materiais da Palestra.
Slides
https://www.youtube.com/watch?v=0Bk2F3TNFGc – Scanner
http://mundogeo.com/blog/2014/06/10/laser-scanner-3d-a-revolucao-na-coleta-de-dados/
https://www.youtube.com/watch?v=MmafV80disI – Scanner Policia
https://www.youtube.com/watch?v=R1BFo0eKZbc – Mais Você
https://www.youtube.com/watch?v=1EyKMz59Zzo – Scanner Roda
https://www.youtube.com/watch?v=g63PLOieIiA&spfreload=10 – Medicina
http://blogs.estadao.com.br/link/existe-uma-impressora-3d-que-imprime-chocolate/
http://blogs.estadao.com.br/link/a-impressao-3d-comeca-sua-revolucao/
https://www.youtube.com/watch?v=BWbFYZTrpM4 – Doce
https://www.youtube.com/watch?v=HkPaFB1QPGo – Zbrush
http://www.techtudo.com.br/noticias/noticia/2015/03/motocicleta-retro-impressa-em-3d-promete-agradar-amantes-da-moda-vintage.html

 

Palestra Animação 2D com Photoshop, Illustrator e After Effects.

Olá galera mais uma vez estou aqui para falar um pouco sobre animação, mesmo com a grande busca e grande produtoras aderirem o desenvolvimento utilizando softwares 3d como 3ds max, Maya, entre outros, ainda sim muitos animadores utilizam a tradicional 2d.

Falar sobre esse assunto sem mencionar grandiosas obras como Steamboat Willie (1928), com uma das primeiras aparições do personagem Mickey e a Snow White and Seven Dwarfs (1937), clássico e Bambi (1942). Estes trabalhos marcaram época por sua desenvoltura e técnicas de representações de movimentos além do próprio roteiro Walt Disney destacando e marcando inesquecíveis momentos na história da animação.

Os desenhos eram feitos a mão livre e era necessário várias equipes para sua finalização, cada segundo era necessário de 24 desenhos ou mais, muitas vezes demorando anos para ser produzidos.

Atualmente uma pessoa não precisa necessariamente saber desenhar muito, com auxilio de softwares você consegue pintar, recortar, colar, fotografar e assim produzir desenhos e consequentemente fazer uma animação. Claro, tendo a técnica facilita muito, pois a ilustração fica mais rica. Hoje temos tudo à disposição, então o “não sei” não é mais desculpa, temos livros, temos internet e redes sociais que facilitam nossa busca por assuntos e referências que completam nossas necessidades.  Uma rede social muito legal é o Pinterest no qual é possível fazer coleções a partir de publicações.

Um roteiro é essencial para elaboração de uma animação, até é um caminho para um iniciante. Procurar tutoriais na internet são ótimos porém com tempo desgasta e deixa sem estímulos. Uma história bem contada, um storyboard bem planejado é mais que suficiente para começar e o restante é praticar, conhecer tecnologias que pretende utilizar.

Hoje conseguimos ilustrar digitalmente com periféricos como Mesas Digitalizadoras “tablets” que fazem o papel de um lápis desenhando diretamente no software e considero ferramenta primordial para ilustração. No começo é um pouco incomodo não olhar para a “caneta,” mas com o tempo você se acostuma. Com ela é possível representar com exatidão além de aplicar vários tipos de pressão, criando uma variedade de traços. Ao comprar não pense que a maior mesa vai ser a melhor para seus desenhos, quanto menor será mais prático transportar além do preço, uma mesa grande dispõe de espaço e também muitas articulações na hora do uso, não vejo vantagem. Veja a seguir a ilustração do artista Nico DiMattia.

Existem uma variedade de softwares que pode ser utilizados, eu adotei pela linha Adobe pela compatibilidade entre eles, posso fazer no Photoshop e importar no Illustrator, depois mexer no After Effects e por ai vai. O Photoshop é uma ferramenta poderosa que te possibilita muitas vertentes em segmentos distintos, para a animação é possível ilustrar e até mesmo animar no próprio software, claro será uma animação mais robusta sem muitas opções para animar determinadas propriedades. Já o Illustrator te possibilita um traço mais solto, com as vantagens de se trabalhar com vetores, ou seja, pode aumentar, reduzir sem se preocupar com qualidade, diferente do Photoshop que é necessário colocar uma resolução (qualidade) da imagem, isso estou falando de ilustração.

A animação 2d com softwares articuláveis tornam o processo mais fácil, por exemplo o fato de animar por propriedades (posição, rotação, escala, transparência, entre outros) agiliza e isolam os movimentos gerando mais controle. Com After Effects é possível fazer esse tipo de procedimento, organizando e distribuindo em camadas, por exemplo, a animação de personagem (cabeça, braços, troco, pernas) separados, você já agiliza importando os arquivos organizados como uma animação deve ser.

Em algumas situações não é possível recortar tudo e criar as distribuição, até mesmo pelo tempo que terá para produzir, existe a opção de trabalhar diretamente na imagem, retirando o fundo e trabalhando com movimentos que a própria ilustração pode te possibilitar. Muitas emissoras utilizam deste tipo de animação para produzir vinhetas ou animações curtas, conhecidas como “Marionete” em inglês “Puppet.”

Existem diversos softwares que atingem os mesmos resultados, busque, amplie seu repertório, desenhe, ouse e o principal, pratique. Hoje temos diversos meios de comunicações e mercados de trabalho que utilizam esse tipo de produção.

Disponibilizo os slides e materiais utilizado na palestra.

Um grande abraço,
Hugo.

 

Satisfação…

Boa tarde, quero publicar o quanto estou grato por realizar duas palestras no Senac – “Desenvolvendo com Tecnologias 3D 25/6/2015 e Animação 2D com Photoshop, Illustrator e After Effects 7/7/2015″ e também as pessoas que assistiram. Hoje irei disponibilizar os conteúdos que foram exibidos. Mais uma vez obrigado.

Vem ai Multimídia sem limites…

Olá pessoal, em setembro acontecerá o multimídia sem limites onde acontecerá diversos eventos. Vou ministrar dois Workshops voltados para edição de vídeo e também 3d, quem tiver interesse segue o link de Inscrição. Lembrando como se trata de workshops são vagas limitadas. Dia  14/09/2015: Oficina Edição de Vídeo – Premiere. Senac Penha – 19h30 às 22h. Dia  17/09/2015: Como criar uma paisagem em 3D com 3DS Max. Senac Penha – 19h30 às 22h. Espero vocês lá! Abs!

Palestra: Animação 2D com Adobe Photoshop, Illustrator e After Effect

Direcionada para profissionais de criação como designers, publicitários, comunicadores e artistas, a palestra Animação 2D com Adobe Photoshop, Illustrator e After Effects será promovida, em 7 de julho, no Senac Penha.

Essa apresentação será ministrada pelo designer gráfico e docente Hugo Duarte, que fornecerá aos participantes dicas de utilização dos softwares para produção de conteúdo animado de forma diferenciada para o público-alvo da sua campanha.

“Procurados por profissionais que desejam atuar na área de animação e composição de vídeo, esses programas utilizados em conjunto proporcionam a perfeita combinação para o desenvolvimento de produções gráficas criativas e cheias de efeitos especiais, que vem se popularizando graças à expansão do mercado digital brasileiro”, explica o palestrante.

Público-alvo: profissionais de criação como designers, publicitários, comunicadores e artistas e interessados no tema.

Local: Senac Penha SP

Inscrição.

Evento: Gratuito.

 

Comprar um Powermac G4 MDD… ?

Powermac G4 MDD
Anunciada em agosto de 2002, o PowerMac G4 (Mirrored Drive Doors) incluiu várias melhorias de placas-mãe emprestados do servidor em rack Xserve lançado anteriormente. A velocidade do barramento na maioria dos modelos foi aumentada para 166 MHz, e uma / 2700 barramento de memória SDRAM Taxa de Dados Dupla PC2100 foi incluído. Processadores duplos foram incluídos em toda a linha, como foram reforçadas placas gráficas.

 

 

Powermac G4 MDD

Comprar um Powermac G4 atualmente pode ser até uma loucura, porém ainda é possível trabalhar com esse equipamento adaptando-se as atuais tecnologias. Periféricos originais requerem tempo e paciência, dificilmente são encontrados aqui no Brasil, além disso o Powermac dispõe de apenas duas entradas USB que facilmente podem ser ocupadas com o teclado e o mouse. Este problema pode ser facilmente resolvido com um adaptador bluetooth, e assim tronando possível usufruir de equipamentos com esta conexão. O teclado e o magic mouse funcionam muito bem retirando as ações do multi touch.

Coisas que você pode fazer…

Decoração – Por mais que os anos passem, a sua estrutura continua clean e chamativa, adereços em acrílicos, fazem esta máquina ainda chamar atenção roubando a cena de vários equipamentos atuais tornando assim um atrativo para a decoração de um um escritório, por exemplo.

Back-up – A época do IDE já se foi, mas é uma alternativa, quatro flats cable conectam discos rígidos tranquilamente, porém a parte chata achar discos que estejam com boa qualidade e de média capacidade (250Gb IDE).  Se para dados não te chama atenção, quem sabe uma base criar back-up de discos em CD ou DVD.

Servidor – Claro é possível transformá-lo em servidor, mas lembre-se o apelidaram de “Windtunnel” e realmente é um avião, chega a lembrar uma turbina de um avião comercial, até quando o cooler fica mais rápido. Se mesmo assim não te incomodar compre um headphone, usufrua ao máximo daquela entrada de fones de ouvido frontal, pois a caixa de som não é boa.

Internet – Navegar com estilo também pode ser uma opção, se cabos espalhados pela casa não te incomodarem, é possível se conectar através de cabos de rede, ou compre uma placa Wireless compatível com o modelo e pronto.

pmg4-mddWorkstation – Ainda é possível vê-lo como uma estação de trabalho, alguns softwares são compatíveis com a arquitetura PPC e o último sistema operacional foi o Mac Os Leopard rodando perfeitamente neste equipamento. É possível editar textos, tratar e manipular fotos, editar vídeos, entre outros. Alguns softwares são compatíveis como: iWorks 09, iLife 09, Microsoft Office 2008, Adobe Master Collection CS3, CorelDraw 11, Final Cut Studio. Existe a possibilidade de um pacote excluir da instalação um determinado programa, por exemplo, quando instalei o iLife o iMovie retirado e na suite CS3 o Adobe Encore e Premiere não foram instalados por conta do hardware.

Publicação Macworld

 

 

Powermac G4 MDDO G4 (MDD) foi um dos mais altos PowerMac, e ganhou o apelido de “G4 Windtunnel” por esta razão (Um plano de substituição do ventilador e fonte de alimentação foi posteriormente oferecido pela Apple). É fornecido em três configurações: um modelo dual 867 MHz, com 256 MB de RAM, um disco rígido de 60 GB, uma unidade / DVD-ROM CD-RW, e um de 32 MB NVIDIA GeForce4 MX placa gráfica foi 1.699 dólares; Dual 1 e 1,25 GHz modelos enviados com 256 e 512 MB de RAM, 80 e 120 GB discos rígidos, um “SuperDrive” DVD-R / CD-RW e um Pro placa de vídeo ATI Radeon 9000. Todos os modelos foram interrompidos em janeiro de 2003.

 

Por incrível que pareça ainda é funcional, embora o tempo e o hardware ultrapassado, este modelo proporciona upgrade se igualando a atualidade (bluetooth/wireless). É uma máquina que ainda da pra trabalhar com editoração de textos, ilustrações e para comunicação visual. Periféricos como mesas digitalizadoras “tablets” da Wacom, ainda disponibilizam os drives antigos.

Por Hugo D. Tockaes.

Informações técnicas: Apple History

Office para iOS agora é compatível com iPhones e não requer assinatura para edição de arquivos

Quando lançou o Office para iPads, a Microsoft permitiu — pela primeira vez — que usuários da sua suíte profissional pudessem visualizar e editar documentos do Word, do Excel e do PowerPoint diretamente dos tablets da Apple. A edição, porém, requeria uma assinatura do Office 365. Pois é: requeria.

Nesta semana a empresa atualizou os aplicativos tornando a edição de documentos totalmente gratuita. Mas ela não parou por aí: agora, os apps também são universais (ou seja, compatíveis e otimizados para iPads e iPhones/iPods touch) e totalmente integrados ao Dropbox (usuários do Office para iOS podem editar abrir, editar e salvar documentos armazenados nele).

https://itunes.apple.com/br/artist/microsoft-corporation/id298856275

Se antes — disponível apenas para iPads e exigindo uma assinatura do Office 365 — os apps já faziam sucesso, imagine agora!

Fonte: Macmagazine.

Halloween! As animações de terror que passaram pelo Anima Mundi!

Designer de personagens do longa A Noiva Cadáver, o espanhol Jordi Grangel ministrou uma masterclass no Anima Mundi 2010

Que tal relembrar algumas animações de terror nesse Halloween? O tema é um dos preferidos do público e também não poderia ser diferente. A liberdade que os artistas ganham para criar personagens com aparências únicas enche nossos olhos quando vemos o resultado final em cada textura na pele de um monstro, detalhes dos cenários… Bom, vamos lá!

Muitos de vocês nem eram nascidos, mas em nossa primeira edição, em 1993, exibimos o curta “The Sandman“, de Paul Berry. O trabalho, feito em stop motion, virou um eterno clássico do terror em animação e é lembrado até hoje pela galera das antigas do festival. A produção britânica fez sucesso no mundo todo e chegou a concorrer ao Oscar de Melhor Curta de Animação em 1993.

Saltando alguns anos no tempo, já em 2005, tivemos a grata satisfação de assistir de pertinho a produção do curta “Beleteia e a Boneca Misteriosa“, no projeto Anima Escola. Os alunos do Núcleo de Artes Alencastro Guimarães mandaram muito bem no roteiro, além de nos presentearem com uma das narrações mais originais que já vimos par uma história de terror!

O clima cômico e ao mesmo tempo macabro de “ParaNorman” passou pelo Anima Mundi em 2012. Recebemos Mark Shapiro, responsável pelo marketing e gerenciamento do estúdio Laika, e tivemos a honra de assistir a trechos inéditos do filme antes de seu lançamento no Brasil. (Veja o artbook interativo do filme aqui).

Making-of em português…

E agora em 2013, o representante do gênero terror foi o curta britânico The Hungry Corpse, dirigido por Gergely Wootsch. Todo em preto e branco, dando um clima ainda mais sombrio, a animação se passa em Londres, na movimentada mas triste Trafalgar Square. O encontro incomum entre um velho e faminto cadáver e um pombo é o enredo da história…

Trailer…

Para fechar bem essa lista, ninguém melhor que Tim Burton, não é? Lançado em 2005, o longa “A Noiva Cadáver” conta com um elenco de peso, com nomes como Johnny Depp e Helena Bonham Carter. Não bastasse isso, a produção em stop motion ainda foi indicada ao Oscar de Melhor Filme de Animação do ano.

Em 2010, quem veio ao Anima Mundi para ministrar uma masterclass foi Jordi Grangel, responsável pelo design de personagens, adereços, figurinos, cenários e esculturas do filme de Tim Burton!

Veja o making-of…

por: Marcos Nepomuceno.

Fonte: Anima Mundi.

Storyboard perfeito: o primeiro passo para uma animação perfeita.

storyboard é uma das etapas mais importantes na produção de uma animação. Ele é a versão em desenhos do roteiro de um filme. Contém todo o seu conceito visual como o enquadramento, cortes e movimento de câmera, além de localizar os ambientes e inserir as personagens em cena.

Ele é a primeira oportunidade para observar se o que o diretor imaginava irá funcionar, o que permite uma melhor preparação para as filmagens, além de uma visualização mais palpável do roteiro. E tendo em mente que uma animação é uma atividade coletiva, é vital que toda a equipe esteja em sintonia quanto ao projeto em desenvolvimento.

Time-lapse: storyboard em 29 segundos!

Por isso, conversamos com Tarso Pizzorno,  artista de storyboard e ilustrador com experiência em mais de 300 filmes publicitários, desenhos animados e longa-metragens.

ANIMA MUNDI: Qual é a importância do storyboard no processo de criação de uma animação?

Tarso Pizzorno: No Storyboard são criados todos os planos do filme; é onde o diretor dá vazão a sua criatividade e arquiteta toda a narrativa visual. Antes dele, só existe o texto do roteiro. Após sua criação, toda a produção será baseada nele, que funcionará como um roteiro visual do projeto. Estamos falando de uma ferramenta de planejamento muito importante para qualquer pessoa que tenha a pretensão de empreender a realização de um filme, independente da técnica que será utilizada na sua confecção.

ANIMA MUNDI: Filmes de live action também podem ter um storyboard?

Tarso Pizzorno: Filmes live action não só podem como devem ter storyboard, principalmente para cenas de ação e efeitos. A diferença é que o storyboard para animação é mais detalhado e redundante do que o para live action. Na animação atual, ele é usado para construir o animatic (storyboard animado), importantíssimo quando tratamos de produção seriada, e geralmente já contém os keyframes (desenhos que definem o começo e o fim de um movimento para uma transição suave).

ANIMA MUNDI: O storyboard é valorizado como deveria no Brasil?

Tarso Pizzorno: Na animação profissional (principalmente nas séries animadas) ele é muito valorizado, ainda que a remuneração esteja aquém do ideal. No live action, filmes publicitários em especial, ele tem uma longa tradição de utilização no Brasil e a remuneração é bem melhor. No entanto, este trabalho também é mais difícil, dados os prazos exíguos e a exigência artística mais alta.

Fonte: Anima Mundi

Storyboard – O quadro a quadro da história.

Quando vemos um filme ou uma animação na tela, não imaginamos o trabalho por trás daquela obra. O processo de produção é exaustivo e longas-metragens podem demorar anos para serem feitos. Mas a tudo começa a tomar forma mesmo é no storyboard.

storyboard nada mais é do que a versão em desenhos do roteiro de um filme. Contém todo o seu conceito visual como o enquadramento, cortes, movimento de câmera etc, além de localizar os ambientes e inserir as personagens em cena. São estes desenhos em sequência que transportam as ideias do abstrato para o real. É a primeira oportunidade para observar se o que o diretor imaginava irá funcionar, o que permite uma melhor preparação para as filmagens.

James Baker fez o storyboard de Up: ele era quem decidia se uma sequência precisaria de full-animation, ou não

Um por todos e todos por um

A produção do storyboard também ganha importância quando se leva em conta que realizar um vídeo é uma atividade essencialmente coletiva. Por isso, a equipe deve estar em sintonia quanto ao projeto que estão desenvolvendo. Se isso não ocorrer, cada membro terá um filme diferente na cabeça, e a consequência disso será uma obra de arte pouco coesa.

Também é importante que o artista de storyboard tenha uma ideia precisa sobre as condições econômicas do projeto. Isso porque, no caso da animação, é ele quem deve ser capaz de manter um equilíbrio entre as sequências que necessitam de full-animation – processo mais caro e trabalhoso – e as sequências de animação mais modesta. É ele também o responsável pelo planejamento dos cenários, podendo reaproveitá-los e assim economizar tempo e energia dos profissionais envolvidos. Como na animação todos os ambientes são criados, as ações podem se dar em mundos paralelos, em um país diferente a cada plano, até mesmo em planetas diferentes! Mas mesmo assim uma abundância de cenários distintos pode ser sinônimo de custos altos.

Grandes profissionais do storyboard

Jeff Lynch sabe bem disso: além de dirigir vários episódios de Os Simpsons, também desenhava os storyboards para a série. Ele foi convidado do ANIMA MUNDI 1997, no qual apresentou o workshop Design para Storyboard.

Outro profissional da área que participou do ANIMA MUNDI, dessa vez da edição do ano passado, foi Ryan Woodward. O também animador americano ministrou uma masterclass e contou que trabalhar com storyboard foi uma opção para continuar desenhando, já que quase todos os empregos em animação disponíveis envolviam computação gráfica. Hoje Ryan já fez storyboards para filmes como Homem de Ferro 2 (2010) e Os Vingadores(2012), e conseguiu se consolidar também como animador autoral, podendo finalmente desenhar a vontade. É dele o curta-metragem Thought of You (2010), que fez grande sucesso na web e foi exibido no ANIMA MUNDI do ano passado. Afinal, não há mouse nem teclado que substituam a velha dupla dopapel e caneta.

por: Bruna Cataldi, 30/05/2012

Fonte: Animamundi.